Ads Top

Moda Russa




Inverno na Rússia é sinônimo de termômetros marcando - 20ºC, neve sob os pés, narizes vermelhos e, é claro, casacos de pele – a única forma segura de se proteger do frio. Mas a história mostra que casaco de pele russo é tão importante para se proteger do frio quanto para manter a imagem de poder.


Há muito tempo o casaco de pele deixou de ser apenas uma fonte de calor e se tornou um verdadeiro fenômeno cultural na Rússia, com suas sutilezas sociais e de estilo, além de possuir uma rica história.
Os sobretudos de pele eram um componente indispensável do guarda-roupa desde os tempos antigos. O traje mais comum era o "kojukh", um casaco que chegava até os calcanhares e era confeccionado a partir da pele de nove ovelhas. A “dokha”, uma espécie de casaco feito de pele de potros ou de bezerros, também era bastante comum no passado, assim como o “tulup”, feito com pele de lebre ou carneiro.


Influência europeia
Os casacos de pele ganharam novos cortes à medida que foram se popularizando como um item de moda. Os modelos trespassados, com costas e abas retas, mangas longas e retas e gola aberta foram ganhando popularidade até que, no século 19, surgiram os casacos de pele acinturados. Independentemente do corte, os casacos de pele eram fechados da direita para a esquerda por botões ou ganchos.
Entre o último trimestre do século19 e o início do século 20, muitas aldeias russas aderiram à moda dos casacos de pele com cintura destacável, apenas nas costas ou em toda a sua volta, com pregas próximas à cintura. A interação com a Europa Ocidental foi também aprimorando o casaco de pele russo, tornando-o mais elegante.




Celebridades e o estilo “à la russe”
É estranho, mas o fato é que nos últimos anos as estrelas de projeção mundial demonstram grande interesse em relação ao estilo “à la russe”.
 “À la russe” significa silhuetas femininas com saias rodadas (frequentemente no comprimento maxi) e com cintura bem demarcada, chapéus “kubanka” (como o que usa a personagem Lara no filme "Dr. Jivago"), lenços de cabeça, estampas florais, rendas e bordados. O uso da arte folclórica russa completa o visual: xales do distrito de Pávlovski Possad (grandes, mais frequentemente feitos de lã, com uma estampa floral de cores vivas e uma franja) e pintura de khokhlomá (um tipo de pintura que representa elementos vegetais utilizando um esquema de cores que consiste estritamente do preto, do vermelho e do ouro).
Lady Gaga “à la russe”
No ano passado, Lady Gaga surpreendeu a todos ao aparecer em público com trajes da coleção da designer russa Uliana Sergueenko, que já se tornou um guru do estilo russo para o mundo ocidental.
A imagem da cantora suscitou muita celeuma, críticas e alfinetadas do tipo "a excêntrica Lady foi atraída para o exotismo".
Recentemente, a própria Uliana Sergueenko, criadora e detentora dos direitos da grife homônima, tornou-se uma participante permanente das semanas de moda em Nova York, Paris, Milão e Moscou, bem como de outros importantes eventos sociais. É possível que exatamente graças a essa memorável jovem que usa longas saias rodadas, lenços e salto agulha (stiletto), se constituiu no mundo um estilo russo tangível e aplicável à vida real.
Ondas de interesse
Historicamente, no Ocidente, o interesse pela cultura e trajes russos vai e vem em ondas, mas nunca desaparece por muito tempo. Cada nova onda de entusiasmo pela Rússia sempre foi provocada por mudanças no país que ocorreram em determinadas épocas, sejam elas a sucessão no trono, a guerra, a revolução ou a Perestroika.


Na imagem da mulher europeia que segue a moda, a "gola de boiardo", um ornamento eslavo, o “kokochnik do norte” (adorno de cabeça), o xale com franjas e muitos outros elementos inerentes ao estilo original russo ficaram firmemente enraizados.
Na segunda metade do século 20, Yves Saint Laurent fez reviver o interesse em relação ao traje russo. Ele criou a “Russian Collection”, que incluía chapéus de pele, botas, saias em várias camadas e blusas bordadas, luxuosas e inusitadas.
Entretanto, o verdadeiro boom de interesse pelo estilo russo começou em meados dos anos 2000, quando, uma após a outra, começaram a ser lançadas as coleções de Roberto Cavalli, a "Paris-Moscou", de Lagerfeld para a Chanel, a "Linha russa", de Antônio Marras para a Kenzo e as coleções de John Galliano, Valentino e Dolce & Gabbana, todas elas no estilo "à la russe".
A profusão de ornamentos com padrões que trazem elementos vegetais e os variados “xales da vovó”, os bordados feitos à mão e as rendas, as golas de peles e os chapéus “kubanka”, as saias rodadas com cinturas bem demarcadas e as golinhas imaculadas, os colares e brincos enormes e sofisticados, tudo isso atualmente se tornou uma marca registrada do estilo russo.


O estilo “à la russe” é extremamente feminino e atraente em sua elegância luxuosa. Isso se torna especialmente perceptível tendo como pano de fundo o minimalismo e a androginia, que nos últimos anos reinam no mundo da moda. Mas, em qualquer época, uma mulher sempre quer ser feminina. Isso significa que também as russas sempre estarão na moda.










Fonte:gazetarussa
Tecnologia do Blogger.