Ads Top

“Adesivo” transforma gordura da barriga em energia e faz emagrecer


Cientistas da NTU, Nanyang Technological University de Singapura, na Ásia, desenvolveram um adesivo revolucionário para reduzir gorduras da barriga e ajudar a reduzir o problema mundial da obesidade.
O adesivo, que fez ratos emagrecerem mais de 30 por cento em quatro semanas, com uma dieta rica em gordura, “usa as gorduras do corpo de uma pessoa para queimar mais energia, um processo natural [usado para manter bebês quentinhos]”.
Além de perderem peso, os ratos tratados também apresentaram níveis significativamente mais baixos de colesterol no sangue e ácidos graxos, em comparação com os camundongos não tratados.
O adesivo combina um remendo de micro-agulhas, com drogas que são conhecidas por transformar o armazenamento de energia de gordura branca em gordura marrom, a gordura “boa” que queima energia.

ComoO novo tipo de adesivo de pele contém centenas de micro-agulhas, mais finas que um fio de cabelo humano.
Elas são carregadas com o agonista do receptor adrenérgico Beta-3 do medicamento, ou outro medicamento chamado triiodotironina do hormônio tireoidiano T3.
Pressionadas na pele por cerca de dois minutos, estas micro-agulhas se encaixam na pele e se separam do remendo, que pode ser removido.
À medida que as agulhas se degradam, as moléculas do fármaco se espalham lentamente para a gordura branca por baixo da camada de pele, transformando-as em gordura marrom que queima energia.
A gordura marrom é encontrada normalmente em bebês e ajuda a manter a criança aquecida ao queimar energia.
À medida que os seres humanos envelhecem, a quantidade de gordura marrom diminui e é substituída por gorduras brancas viscerais, por isso muita gente fica barriguda à medida que envelhece.

ObesidadeA pesquisa sobre o adesivo foi publicada na revista Small Methods pelo Professor Chen Peng da NTU e pelo Professor Adjunto Xu Chenjie.

Eles dizem que esse tratamento com o adesivo poderia ajudar a resolver o problema mundial da obesidade sem recorrer a operações cirúrgicas, ou medicamentos orais, que poderiam exigir grandes doses e poderiam ter sérios efeitos colaterais.
“Com as micro-agulhas embutidas na pele dos camundongos, as gorduras circundantes começaram a dourar em cinco dias, o que ajudou a aumentar o gasto de energia dos camundongos, levando a uma redução no ganho de gordura corporal”, disse Xu.
“A quantidade de drogas que usamos no adesivo é muito menor que a usada em medicação oral, ou uma dose injetada.
Isso reduz os custos de ingrediente de drogas, enquanto nosso projeto de liberação lenta minimiza seus efeitos colaterais “, disse Xu.
SaúdeA obesidade é um importante fator de risco para a saúde e provoca doenças cardíacas, acidentes vasculares cerebrais e diabetes tipo 2.
A Organização Mundial de Saúde estima que 1,9 bilhão de adultos no mundo estavam acima do peso em 2016, sendo 650 milhões deles obesos.
“O que pretendemos desenvolver é um remédio indolor que todos poderiam usar facilmente, discreto e ainda acessível”, disse Chen, especialista em biotecnologia que pesquisa obesidade.
Ser capaz de administrar o medicamento diretamente no local da ação é uma das principais razões que fazem haver menos efeitos colaterais do que a medicação administrada oralmente.
Tratamento baratoA equipe estima que seu protótipo de adesivo teve um custo material de cerca de US $ 3,50 para fazer, pouco mais de R$ 11.
Ele contém o agonista de receptores beta-3 adrenérgicos combinado com ácido hialurônico, uma substância naturalmente encontrada no corpo humano e comumente usada em produtos como a pele hidratantes.
O agonista dos receptores adrenérgicos Beta-3 é um medicamento aprovado pelo FDA – a agência americana que regula remédios e alimentos – e é usado no tratamento de bexigas hiperativas.
Já a triiodotironina T3 é um hormônio da tireoide usado para tratar a glândula.
Os dois foram usados em outros estudos para transformar as gorduras brancas em marrom, mas não deram certo. Ele provocaram efeitos colaterais sérios por terem sido administrados via ingestão oral.
Em humanosO professor associado da Escola de Medicina Lee Kong Chian, Melvin Leow, que não fez parte deste estudo, disse que é emocionante poder combater a obesidade através do acúmulo de gordura branca e os resultados foram promissores.

“Esses dados devem encorajar os estudos clínicos de Fase I em seres humanos para traduzirem esses achados científicos básicos, com esperança de que [os adesivos] possam ser desenvolvidos em uma modalidade econômica estabelecida para a prevenção ou tratamento da obesidade em um futuro próximo”, ” acrescentou o endocrinologista Leow.

A publicação do trabalho despertou o interesse das empresas de biotecnologia.
A equipe estuda agora, qual o melhor parceiro clínico para dar prosseguimento aos trabalhos.
* Nota: As informações e sugestões contidas neste artigo têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.
Tecnologia do Blogger.